Content anchor

Tadeusz Kantor, uma máquina

ONDE: 
Brazil
Rua Doutor Vila Nova, 245 – Vila Buarque
São Paulo
QUANDO: 
18AGO'15
14NOV'15
Tadeusz Kantor podczas festiwalu w Edynburgu, 1972, fot. Muzeum Sztuki w Łodzi

Para celebrar o centenário do nascimento do artista polonês mais importante do século XX, Tadeusz Kantor, foi organizada em São Paulo uma exposição monográfica de grandes dimensões, visando a familiarizar o público com  seu pensamento e  sua trajetória criativa. A exposição foi organizada por Culture.pl.

A exposição monográfica de Tadeusz Kantor no Sesc (Serviço Social do Comércio), em São Paulo, fez parte de uma série de atividades precedentes à  programa de apresentação da cultura polonesa no Brasil, programada para o ano de 2016. Constituiu, até o momento, a única exibição das obras de Kantor de tão imponente escala neste país. Anteriormente, acontecera apenas uma mostra do seu trabalho na Bienal Internacional de Arte de São Paulo, em 1967, onde o artista foi contemplado com o Prêmio Bienal de São Paulo

O crítico Krzysztof Kościuczuk visita a exposição “Máquina Tadeusz Kantor", uma mostra interativa... Read more about: Máquina Tadeusz Kantor [resenha]

Em depoimento à  Agência de Informação Polonesa, um dos curadores da exposição e  diretor do Muzeum Sztuki w Łodzi (Museu de Arte em Łódź), Jarosław Suchan, realçou que a exibição brasileira tinha por objetivo evidenciar o caráter transgressivo e interdisciplinar da arte kantoriana. Apontou que, embora Kantor não fosse desconhecido na América Latina, tem sido considerado, inclusive na atualidade, mais como um homem de teatro. Artistas e teatrólogos sublinham que Kantor foi um artista com influência essencial no desenvolvimento do teatro brasileiro. A exposição intitulada "Máquina Tadeusz Kantor. Teatro + happenings + performances + pinturas + outros modos de produção" tem por objetivo apresentar a arte e o seu autor numa perspetiva ampliada, introduzindo suas facetas de pintor, cenógrafo, happener e teórico da arte.

"A obra de Kantor no domínio do teatro está intrinsicamente ligada a outras áreas das suas buscas artísticas. Foram de grande importância para o seu teatro as experiências advindas das  artes visuais "- explicou Suchan.

100. rocznica urodzin Tadeusza Kantora from Culture.pl on Vimeo.

Em uma das unidades do Sesc, importante instituição de cultura, lazer e educação do Brasil, foi edificada uma estrutura arquitetônica especial onde se exibiu, no âmbito da exposição, o mundo kantoriano, criado a partir das ideias e dos manifestos do artista. A exibição também mostrou pinturas, desenhos, projetos, instalações e diferentes objetos, assim como filmes documentários, gravações de espetáculos e rica documentação referente a intervenções artísticas. A maioria das obras foi alugada do acervo do Muzeum Sztuki w Łodzi (Museu de Arte em Łódź) e da Cricoteca (centro kantoriano em Cracóvia - N. do T.). Os curadores da exposição foram Ricardo Muniz Fernandes, sociólogo, editor e produtor cultural de São Paulo e Jarosław Suchan, historiador da arte e diretor do Muzeum Sztuki w Łodzi.

Tadeusz Kantor"Portret matki", 1976, fot. Muzeum Sztuki w Łodzi
Tadeusz Kantor "Retrato da Mãe", 1976, foto: Muzeum Sztuki w Łodzi (Museu de Arte em Łódź)

Como escreve o curador Ricardo Muniz Fernandes "a exposição não é uma retrospetiva, mas sim um mecanismo em funcionamento, não é uma mera representação, mas compreende a reinvenção do que é vivo e vivido para Kantor e seus contemporâneos. É um espaço em processo. "Máquina Kantor" são várias máquinas ligadas a  milhares de outras máquinas, num fluxo contínuo".

A exposição teve início com a apresentação da Máquina Aneantisadora que, segundo a concepção dos curadores, é uma metáfora do conjunto da obra de Kantor. O espaço seguinte foi preenchido com  vários documentários a respeito da obra e da vida do artista. O seu cenário referia-se à famosa Anti-exposição, aberta na Galeria Krzysztofory de Cracóvia em 1963, que, recusando a disciplina cronológica, jogava com o caos, deixando para o espectador a tarefa de reconstituir o retrato do artista por conta própria.

Na sala principal foram apresentados  objetos cênicos, originais e refeitos, que acabaram compondo uma visão geral do trabalho criativo de Kantor. Encontravam-se ali, entre outros, a cadeira do espetáculo "Niech szczezną artyści" (Que morram os artistas), de 1985; o guarda-roupa de "Nadobnisie i koczkodany" (Formas delicadas e macacos peludos), de 1973; as recriações dos elfos e da ninfa Goplana de "Balladyna", de 1943. Junto com estes artefatos foi apresentado um fragmento do filme de Dietrich Mahlow "Kantor ist da”, de 1969,  que traz o registro da performance "Die Grosse Emballage". Ele constitui uma síntese da exposição, ressaltando o sentido profundo, histórico e filosófico, da obra do artista e suas  referências ao maior horror do século XX, o Holocausto.

As demais salas, em número de sete, como escreveu Jarosław Suchan, eram sete capítulos que, introduzidos conforme os manifestos do artista, iam iluminando, sucessivamente, as realizações da MÁQUINA KANTOR. Os objetos ali apresentados foram instalados nas seguintes seções: A realidade intensificada, Informel-Infernum, Os arredores do zero, Embalagens, Happenings, O impossível e, a mais ampla, Clichê da memória.

No Brasil o interesse por Tadeusz Kantor vai crescendo continuamente, porém, com frequência, fica limitado  ao seu trabalho teatral ou às reflexões teóricas dos teatrólogos. Foram ou estão sendo realizados vários ensaios acadêmicos acerca do artista, como, por exemplo, a tese de doutorado de Wagner Cintra, cujo título instigante é "No limiar do desconhecido. Reflexões sobre o objeto no teatro de Tadeusz Kantor (2012)". Uma coletânea dos escritos de Kantor, intitulada "O Teatro da Morte", organizada por Denis Bablet e publicada pelas editoras Perspectiva e Edições Sesc-SP, em 2008, contribuiu para aprofundar os conhecimentos dos pesquisadores brasileiros no tocante ao pensamento do artista. Contudo, uma compreensão global da obra de Kantor baseada apenas em teoria parece uma impossibilidade, algo difícil de se atingir. Para que se possa experimentar o mundo kantoriano de uma maneira plena, é necessário o contato físico com a obra, com toda sua vivacidade, aliado ao próprio discurso do artista, que abrange diferentes códigos e linguagens estéticas e cujas fronteiras permanecem inapreensíveis.

"Para a arte polonesa ele é o que para a arte alemã foi Joseph Beuy, e, para a americana, Andy Warhol. Criador de uma visão de teatro particular e diferente, participante ativo das revoluções vanguardistas, teórico original, inovador radicado profundamente na tradição, pintor anti-pinturista, happener-herege, conceitualista irônico, animador da vida artística na Polônia pós-guerra. Foi um grande artista não apenas por sua obra, mas pela totalidade da sua vida, sua arte e suas teorias" - diz Suchan.

Os parceiros de Culture.pl na realização da exposição foram: Muzeum Sztuki w Łodzi (Museu de Arte em Łódź), Sesc Consolação São Paulo e prod.art.br.

Máquina Tadeusz Kantor. Teatro+happenings+performances+pinturas+outros modos de produção
Sesc Consolação, Rua Doutor Vila Nova, 245 – Vila Buarque, São Paulo, Brasil
18 de agosto – 14 de novembro de 2015
Curadores: Jarosław Suchan, Ricardo Muniz Fernandes
Arquitetura da exposição: Hideki Matsuka

 

 

Fontes: Culture.pl, elaboração. AS, 27.01.2015, tradução para o português Katarzyna Stachowicz

Did you like our article? English newsletter here

Sign up for newsletter

  • 0 subscribers
  • In accordance with the law from August 29, 1997, relating to the protection of personal data (consolidated text, Journal of Laws, 2002, no. 101, Item 926), I am hereby giving my formal consent to the Adam Mickiewicz Institute, located at 25 Mokotowska Street in Warsaw (00-560), to process my personal data.

  • Email Marketingby GetResponse
See also:
Pierogi com frutas, foto:  Mari Hem/Reporter

Durante as décadas do regime comunista, os poloneses podiam apenas desfrutar as versões rurais mais simples. Talvez seja por isso que atualmente muitos restaurantes e casas foram levados a inovar com recheios e coberturas extravagantes, transformando este prato simples em uma iguaria gourmet. Read more about: Comida Polonesa - Pierogi

Still from Christmas Eve by Jerzy Stefan Stawiński and Helena Amirradżibi. Photo: Tadeusz Biernacki / The National Film Archives / www.fototeka.fn.org.pl

Como na maioria dos países da Europa Central, o Natal na Polônia é um acontecimento peculiar adorado pelas pessoas. Contudo, ainda que as tradições germânicas tenham se disseminado, como o hábito de decorar árvores, os costumes poloneses continuam sendo encantadoramente únicos. Read more about: Tradições Natalinas Polonesas

Jerzy Maksymiuk, fot. Wiktor Wałkow / dzięki uprzejmości Filharmonii im. K. Szymanowskiego w Krakowie

W Pałacu Prymasowskim w Warszawie odbędzie się w niedzielę koncert z okazji 80. urodzin Jerzego Maksymiuka. Orkiestra Sinfonia Viva pod jego batutą maestro Maksymiuka wykona utwory Szymanowskiego, Mozarta, Czajkowskiego i innych. Read more about: Jubileusz maestro Jerzego Maksymiuka

As narrativas de Bruno Schulz traduzidas por Henryk Siewierski para o português  – "Ficção completa"

Henryk Siewierski, Tomasz Łychowski e o padre Zdzisław Malczewski foram premiados pela edição de 2016 do Prêmio Literário da Associação de Escritores Poloneses no Exterior com sede em Londres. Read more about: Três poloneses do Brasil com um prêmio literário