Content anchor

Karol Radziszewski

Karol Radziszewski, fot. dzięki uprzejmości artysty
Karol Radziszewski, foto: acervo do artista              

Nasceu no dia 10 de janeiro de 1980 em Białystok. Pintor, autor de vídeos, instalações, fotografias, curador, redator e editor. Mora e trabalha em Varsóvia. 

Estudou no Departamento de Pintura da Academia de Belas Artes em Varsóvia. Graduou-se em 2004, sob a tutoria do prof. Jarosław Modzelewski. Foi cofundador da Latająca Galeria szu szu (Galeria Voadora szu szu), junto com Ivo Nikić e Piotr Kopik. Foi também editor e redator-chefe da revista "DIK Fagazine".

Em 2006, o artista ganhou o principal prêmio para artistas emergentes na terceira edição do concurso Samsung Art Master e, em 2010, obteve o prêmio Paszport Polityki (Passaporte, da revista "Polityka") na categoria de Artes Visuais.

Pintura: cultura pop e religião

Karol Radziszewski, Metro Marymont, dzięki uprzejmości artysty
Karol Radziszewski, mural, Estação de Metrô Marymont, Varsóvia, 2006, foto: acervo do artista

Nos primeiros anos, Radziszewski costumava utilizar estilos variados como pintor, recorrendo com freqüência à cultura pop. Ele transpunha temas encontrados na cultura de massa e os transferia para a tela. Neste processo, Radziszewski mantinha as características típicas de cada um dos meios visuais utilizados como referência, fazendo com que sejam facilmente reconhecidas as suas fontes de inspiração - fotos aleatórias, santinhos religiosos (ciclo "Ufam tobie" [Eu confio em você], 2004), histórias em quadrinhos ou filmes de animação. Entre as pinturas de Radziszewski estão os quadros fotorrealistas, e também os que seguem a convenção pop art. Os seus projetos costumam combinar não só estilos de pintura diferentes, como também outros meios visuais, tais como a fotografia, o vídeo e a instalação (ex. "UFO", 2007).

Uma das características de suas pinturas próprias desse período foram as superfícies brancas, minuciosamente cobertas de motivos lineares multiplicados em tinta preta.  Este horror vacui era uma presença forte encontrada nos seus murais. O maior deles, com o comprimento de 35 metros, foi realizado pelo artista em 2006 na estação Marymont do metrô de Varsóvia. Ele combinou temas da história turbulenta da cidade com elementos da vida cotidiana justapondo por exemplo, na mesma obra, os insurgentes de Varsóvia e os skaters.

Tanto a técnica utilizada, como um certo gosto em atuar no espaço urbano e engajar outras pessoas na realização de seus próprios projetos têm suas raízes em trabalhos anteriores de Radziszewski: desenhos para colorir para adultos "Zrób to ze mną" (Faça isto comigo)(ação no Café Baumgart em Varsóvia em 2003), nas atividades realizadas com a participação de detidos na delegacia de investigações "Gdzie jesteś" (Onde você está?, 2004), ou atividades com a participação de crianças "Kolorowanie" (Colorindo, Lille, França, 2004).

Instalações: Espaço privado

Karol Radziszewski, "Dom-Blok-Ulica", 2005, dzięki uprzejmości artysty
Karol Radziszewski, "Dom-Blok-Ulica" ("Casa-Bloco-Rua"), 2005, foto: acervo do artista (fragmento - "Dom")

Radziszewski adotou um estilo semelhante no seu projeto de graduação  "Dom - Blok - Ulica" (Casa - Bloco- Rua, 2005). O projeto, concebido como tríptico, se consistiu em três ações realizadas em três tipos de espaços diferentes: o privado, na casa dos pais do artista; o semiprivado, num bloco de apartamentos; e o espaço público, em uma rua.  Na casa de seus pais, Radziszewski cobriu algumas paredes com temas florais, copiado de uma cortina cuja imagem foi preservada nas fotos de infância. No bloco em que mora em Varsóvia, ele pintou as paredes da escadaria e da sala de convivência. Na terceira parte do tríptico, Radziszewki pendurou nas ruas da capital algumas imagens fotocopiadas de Cristo. A ação, parcialmente ilegal, foi documentada em um filme. 

Karol Radziszewski, "Dom-Blok-Ulica", 2005, dzięki uprzejmości artysty
Karol Radziszewski, "Dom-Blok-Ulica"(Casa-Bloco-Rua), 2005, foto: acervo do artista

O tema dos espaços privado e público e as tensões entre eles tornou-se uma questão importante em várias obras de Radziszewski. Em 2005, o artista realizou duas exposições que abordaram o tema de maneiras diferentes. A primeira delas, "Biuro" (Escritório), foi criada no espaço da Biblioteca Informativa da Galeria Nacional de Arte Zachęta. O artista transferiu para lá um escritório de uma empresa localizada em Białystok, em que trabalhavam os seus pais. Radziszewski criou também cópias pintadas de calendários de parede e de materiais de propaganda que cobriam as paredes do escritório, dando destaque à função desses objetos em tornar o local de trabalho um ambiente mais familiar e amistoso.  

Filmes:  Cultura gay

Karol Radziszewski, "Pedały", 2005, dzięki uprzejmości artysty
Karol Radziszewski, "Pedały"(Veados), 2005, foto: acervo do artista

No mesmo ano, em seu apartamento localizado no bairro de Żoliborz, em Varsóvia, Radziszewki abriu a exposição "Pedały" (Veados), composta por vários trabalhos do artista criados desde 2001, que levantavam a questão da homossexualidade. 

"Juntos, eles se tornam uma espécie de declaração" - afirmou Radziszewski.

A parte inicial da exposição era um verdadeiro coming-out do artista – um longo letreiro escrito "Jestem pedałem" (Sou uma bicha). O trabalho mais antigo da exposição foi um díptico fotográfico chamado "Bóg nienawidzi pedałów. Bóg kocha wszystkich, nawet czarnuchów" (Deus odeia bichas. Deus ama a todos, até os pretos), criado em 2002, sob a tutela do prof. Grzegorz Kowalski da Academia de Belas Artes de Varsóvia. Os textos do título estavam escritos na testa (Deus odeia bichas) e na bochecha do artista (Deus ama a todos, até os pretos). 

A maioria dos trabalhos reunidos eram quadros de pequeno formato, integrantes da série "Mężczyzna - przedmiot pożądania" (Homem - objeto de desejo), que registrava o processo de erotização do corpo masculino na cultura de massa. Entre as imagens reproduzidas, podia-se encontrar uma foto de Brad Pitt nu, tirada por um paparazzo, uma escultura de Arno Baker e um still com Johnny Bravo - um personagem de desenho animado - flexionando os músculos. O artista colocou numa parede cor-de-rosa uma citação tirada do mesmo desenho animado: "Man, it must be great being you watching me!".

Karol Radziszewski, " Plus/Minus"(Mais/Menos), 2006, foto: acervo do artista

A escolha do apartamento privado como local da exibição não foi aleatória. Por um lado, isso revelava um certo fechamento do ambiente homossexual e, por outro, indicava um movimento vindo de baixo no processo de emancipação social. A exibição constituiu um dos elementos da tendência emergente na cultura gay polonesa, cuja manifestação mais forte foi a publicação do livro "Lubiewo" de Michał Witkowski. Radziszewski era o autor das fotos polaroid que ilustravam a sua edição exclusiva. A revista provocativa "DIK Fagazine", editada pelo artista, também fazia parte deste movimento.

As temáticas homossexual e erótica têm também presença bastante forte nos trabalhos posteriores de Radziszewski. No início do ano de 2006, o artista gravou o diário-vídeo "Plus/Minus" (Mais/Menos), em que documentou os momentos difíceis de espera pelo resultado do teste do vírus HIV em seu corpo. No início do processo de filmagem, Radziszewski ainda não conhecia o resultado do teste. A trilha sonora era formada por conversas telefônicas do artista em que ele confessa sua ansiedade em relação aos resultados do teste, assim como emoções ligadas a um relacionamento recém-iniciado. O vídeo "Plus/Minus" trouxe a Radziszewski o Primeiro Prêmio no concurso Samsung Art Master.

Karol Radziszewski, "Fag fighters prologue", 2007, dzięki uprzejmości artysty
Karol Radziszewski, "Fag fighters prolog", 2007, foto: acervo do artista

 

As temáticas homossexual e familiar estavam presentes em 2007 na exposição "Zawsze chciałem" (Eu sempre quis) no Centro de Arte Contemporânea Zamek Ujazdowski em Varsóvia, revelando uma forte tensão entre estas duas questões, dois mundos paralelos em constante conflito. Num espaço que lembrava o interior de um apartamento, Radziszewski apresentou o projeto "Dom" (Casa), parte do seu trabalho de graduação, complementado por alguns vídeos novos. Dentre eles se destaca um vídeo em que o artista aparece cantando em dupla com a sua avó, uma canção religiosa intitulada "Chwalcie łąki umajone" (Louvem os campos floridos), ela - dentro da sua casa e ele - num estúdio de gravação profissional.

No segundo vídeo, a avó faz uma balaclava cor-de-rosa no crochê ("Fag Fighters: prolog", 2007), provavelmente sem saber para que tipo de objetivo ela iria servir. Nas salas escuras da exposição foram apresentadas atividades de um grupo fictício de anarquistas gays vestindo balaclavas cor-de-rosa, chamado de Fag Fighters, e também o filme "Plus/Minus"

Desde o ano de 2009, Radziszewki vem trabalhando em um documentário chamado  "Kisieland", um registro do seu encontro com Ryszard Kisiel, autor de "Filo" – primeiro fanzine gay publicado na Europa Central. O filme gira em torno de um acervo desconhecido de fotografias produzidas em resposta à ação militar denominada "Hiacynt", realizada nos anos 1985-86 pelo Serviço Secreto de Segurança e que tinha o objetivo de coletar informações sobre os homossexuais poloneses.

Curador: Arte de consumo

Em 2006, na Galeria Pies em Poznań, o artista organizou uma ação denominada "Spróbuj tego" (Experimente isso) – uma competição em comer uma banana da maneira mais erótica, estabelecendo uma clara referência ao trabalho "Sztuka konsumpcyjna" (Arte de consumo), de Natalia LL do ano de 1972. O principal prêmio do concurso foi um quadro com a pintura de uma penca de bananas. 

Após 34 anos da estadia de Natalia LL em Nova Iorque, com uma bolsa da Fundação Kościuszko, Karol Radziszewki decidiu seguir os seus mesmos passos. Em 2011, ele realizou uma viagem à América do Norte para se encontrar com artistas e donos de galerias de arte que Natalia LL conheceu anos atrás. Quais seriam as diferenças entre a sua estadia e a estadia dela, na América de hoje? Esta é a pergunta que Radziszewki tentou responder no filme "America Is Not Ready For This", no qual ele registra conversas com Vito Acconci, Carolee Schneemann, Marina Abramović, entre outros.

"O filme, composto de fragmentos de entrevistas, é uma espécie de homenagem particular a Natalia LL, expressado de uma maneira indireta e desprovido de um caráter pomposo. Seu objetivo não é tanto reconstruir a memória da viagem realizada em 1977, mas antes observar as regras do jogo que posiciona artistas no mundo de arte, tanto naquela época como no momento presente” – escreve Mikołaj Gliński no portal Culture.pl.
Karol Radziszewski, " Struktura faktu artystycznego", 2007, dzięki uprzejmości artysty (BWA Zielona Góra)
Karol Radziszewski, "Struktura faktu artystycznego"(Estrutura de fato artístico), 2007, foto: acervo do artista (BWA Zielona Góra)

Radziszewski faria referências à arte dos anos setenta por várias vezes. Em 2007, na Galeria BWA em Zielona Góra, na exposição "Struktura faktu artystycznego" (Estrutura do fato artístico), o artista recriou, no seu estilo particular, as obras de Wojciech Fangor, Edward Krasiński, Natalia LL e Ryszard Winiarski, questionando sobre a atualidade e a recepção contemporânea delas.

Karol Radziszewski, "Siusiu w torcik", fot. J. Sielski, dzięki uprzejmości artysty
Karol Radziszewski, "Siusiu w torcik"(Xixi no bolo), foto: J. Sielski, foto: acervo do artista

Em 2009, a Galeria Nacional de Arte Zachęta convidou Radziszewski a apresentar fragmentos menos conhecidos do acervo da instituição.  Na exposição "Siusiu w torcik" (Xixi no bolo) o artista assumiu o papel de curador, elaborando o projeto de uma exposição composta por obras esquecidas, abrigadas pela galeria na época do regime socialista. A Galeria Zachęta funcionava então como o Escritório Central de Exposições Artísticas. Unindo estratégias de artista e de curador e incorporando trabalhos de outros artístas na sua meta-obra, Radziszewski formulou perguntas sobre a integridade de uma obra de arte e o processo de construção de significados. Ele escolheu Edward Krasiński como o patrono da exposição, expondo sua "Instalacja" (Instalação) de 1997 e estabelecendo um diálogo com o autor por meio de uma faixa cor-de-rosa - referência à fita adesiva blue scotch, tão característica nas obras de Krasiński.

Karol Radziszewski, Marios Dik, fot. Kuba Dąbrowski, dzięki uprzejmości artysty
Karol Radziszewski, MARIOS DIK, foto: Kuba Dąbrowski, foto: acervo do artista
A moda é também uma das áreas de interesse de Radziszewski. No verão de 2009, ele abriu uma butique chamada MARIOS DIK, no Centro de Arte Contemporânea em Varsóvia. A butique foi resultado da cooperação da revista por ele editada e dos desenhistas da marca MARIOS (Leszek Chmielewski e Marios Loizou). As roupas da marca recém-fundada levavam desenhos de contorno com motivos da cultura gay, típicos das pinturas de Radziszewski.

Para o concurso “Spojrzenia 2007” (Olhares 2007), realizado na Galeria Zachęta, Radziszewski criou uma sala de leitura que reunia sua obra artística, assim como uma documentação de preparativos para este trabalho, dos quais, mais uma vez, participaram membros de sua família. Em janeiro de 2010, foi premiado com Paszport Polityki (Passaporte, da revista “Polityka”) na categoria de artes visuais. 

Autor: Karol Sienkiewicz, outubro de 2007, atualização 2010. Tradução: Magdalena Walczuk, fevereiro de 2016

 

Exposições individuais:

2002
  • "Co właściwie sprawia, że nasze mieszkania są tak odmienne, tak pociągające?" - Galeria Zakręt, Varsóvia;

2003
  • "Uniform" - TR, Varsóvia;

2004
  • "Dom - Blok - Ulica" (Casa - Bloco - Rua) - Galeria Program, Varsóvia;
  • "Ufam tobie"(Eu confio em você)  - Galeria ZOO, Varsóvia;
  • "Kolekcja prywatna" - Galeria Kuluary, Varsóvia

2005
  • "Pedały"(Veados)  - apartamento particular, Varsóvia;
  • "Biuro" (Escritório)  - Zachęta Narodowa Galeria Sztuki, Varsóvia;

2006
  • "Spróbuj tego" (Experimente isso”  - Galeria Pies, Poznań;
  • "Lubiewo" - Galeria Obok ZPAF, Varsóvia;
  • "B16" - Galeria ZOO, Varsóvia; "Kompozycja 1" – PGR ART/Kolonia Artystów, Gdańsk;
  • "Lubiewo" - Studio BWA, Wrocław;

2007
  • "Zawsze chciałem" - CSW Zamek Ujazdowski, Varsóvia;
  • "UFO" - Galeria Program, Varsóvia;
  • "Struktura Faktu Artystycznego" (Estrutura de fato artístico) - BWA, Zielona Góra;
  • "Man, It must be great" - Galeria Hamidrasha, Tel Aviv, Israel;

2008
  • "Koledzy" (Colegas) - (com Kuba Dąbrowski) - Galeria ZPAF i S-ka, Cracóvia;​​"Dla Natalii LL" (Para Natalia LL) - (com grupo Sędzia Główny) – Galeria 86, Łódź;
  • "DIK Fagazine/Pissing Chapel" - White Cubicle Toilet Gallery, Londres;
  • "Oh!" - Galeria Arsenał, Białystok;

2009
  • "Study" - lokal_30, Varsóvia;
  • "Hidden Power" - Monika Bobińska Gallery, Londres;
  • "Marios Dik" - CSW Zamek Ujazdowski, Varsóvia;​
  • "Prezenty" (Presentes) - TR Warszawa (com Kuba Dąbrowski);
  • "Siusiu w torcik" (Xixi no Bolo), Zachęta, Varsóvia (conceito curatorial);

  • "Ready 2 Die", vídeo-performance, Muzeum Sztuki / ms2, Łódź;

  • "Fag Fighters in Riga", Supernova Gallery, Ryga;
2010

  • "Balance Exercises", Galeria Arsenał, Białystok;
2011

  • "Heal The World", Muzeum Sztuki / ms2, Łódź (conceito curatorial);

  • "Body of Work", Splatterpool Artspace, New York;

  • "Backstage", Bunkier Sztuki, Cracóvia;
2012

  • "America Is Not Ready For This", Muzeum Współczesne, Wrocław;

  • "LOVE", Galeria Raster, Varsóvia;
  • "DIK. Archive", Galeria Kolonie, Varsóvia;
  • "Zaproszenie", Galeria Starter, Varsóvia;
2014

  • "Greetings from America! ", CSW Łaźnia, Gdańsk;

  • "America Is Not Ready For This", FUTURA Center for Contemporary Art, Praga.
Culture.pl's picture
Culture.pl
2016/02/16
Facebook Twitter Reddit Share

Karol Radziszewski

Multimedia

Karol Radziszewski

Articles

Intervenções no espaço da exposição “Máquina Tadeusz Kantor" pelos atores da Cia. Antropofágica, sob tutela de Ludmiła Ryba e Michał Kobiałka, SESC Consolação, São Paulo, foto: Alexandre Nunis

Queremos mostrar que no encontro das culturas brasileira e polonesa surgem obras de arte preciosas, assim como na literatura e na arquitetura. Agnieszka Sural fala com a coordenadora do programa de promoção da cultura polonesa no Brasil. Read more about: Dorota Kwinta: Somos uma boa influência uns para os outros [entrevista]

Wojciech Zamecznik, 1951, fot. archiwum Fundacji Archeologii Fotografii

Em 2016, nós não estamos apenas celebrando o Ano de Henryk Sienkiewicz e organizando um programa de apresentação da cultura polonesa no Brasil. Os artistas poloneses também se apresentam nos maiores eventos mundiais de arte e nas instituições mais prestigiadas. Read more about: A arte polonesa no exterior em 2016

Karol Radziszewski

Events

2ABR'16
11JUN'16
João Silvério Trevisan – activista, escritor e cofundador da revista "Lampião" – protagonista da vídeo entrevita de Karol Radziszewski, foto:  Karol Radziszewski, 2016 / fonte: inresidence.videobrasil.org.br

O polonês Karol Radziszewski e o brasileiro Vitor Cesar apresentam no Galpão VB trabalhos que tratam do espaço urbano como arquivo aberto e materiais de coleções privadas que contam histórias LGBT no Leste europeu e Brasil. Read more about: Karol Radziszewski e Vitor Cesar em Videobrasil

Brak podobnych artystów.